Páginas

segunda-feira, junho 24, 2019

Vicentini Gomez: filme sobre piloto F-1 Ayrton Senna

NOVO FILME DE VICENTINI GOMEZ “AYRTON MENINICES NO CORAÇÃO DO BRASIL”CONTARÁ A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DE AYRTON SENNA


 O filme, com 75 minutos de duração, no gênero Documentário ficcional contará as histórias, fatos, causos e lembranças da infância e adolescência de Ayrton Senna, dos tempos em que passava as férias na fazenda dos pais  e sua convivência com os moradores da região. 


Neste período –o da meninice- Ayrton conquistou e deixou  muitos amigos, admiradores e fãs. Muitos destes homens e mulheres, hoje,  “velhos” da terra, guardam memórias vivas do privilégio que tiveram da convivência daquele menino. Fatos inéditos, que pouco se conhece da história do nosso grande campeão. 

O filme dividirá a narrativa entre os depoimentos dos “velhos da terra”, anônimos e notórios, amigos, da imprensa e do meio automobilístico, com reconstituição de cenas com atores notáveis representando fatos e histórias pitorescas narradas pelos recordadores, sobretudo nestes tempos em que vivia suas férias no norte de Goiás, hoje estado do Tocantins. 
Piloto F1 Ayrton Sena da Silva, no conforto do
lar, Zona Norte SP. (Acervo 
Fram Martins).

Através das recordações dos “Velhos da Terra”  mostraremos ainda o folclore Tocantinense como: Folia de Reis, Cavalhadas, Congada, Catira, fogueiras, festas juninas e o que era vivido pelos empregados da fazendo e suas brincadeiras de  “antigamente” no terreiro, na roça, no quintal, que exigiam muita criatividade para transformar um simples pedaço de palha de milho com algumas penas de galinha para construir uma peteca e, outros brinquedos peculiares da época em contraste com os vídeos games e celulares de hoje. O tempo da inocência e dos grandes sonhos.

O projeto aprovado pela ANCINE, com SALIC 19-0229 pela lei 8685/93 – Artigo 1º A, está em fase de captação de recursos,  pesquisa e desenvolvimento do roteiro e será finalizado em 2020 em tempo das comemorações dos 60 anos de Ayrton. 


FICHA TÉCNICA

AYRTON MENINICES NO CORAÇÃO DO BRASIL
Direção e roteiro  Vicentini Gomez
Formato Longa Metragem
Duração 75 minutos 
Gênero Documentário ficcional
Tema Resgate Histórico
Produção Palha & Cia – Casa de Criação

PERFIL DO ATOR \ REALIZADOR

quarta-feira, junho 19, 2019

Rubens Ewald Filho morre aos 74 anos

Crítico de cinema e roteirista de telenovelas, ele estava internado no Hospital Samaritano, em Higienópolis, São Paulo, desde maio, quando sofreu um desmaio num shopping da capital e caiu na escada rolante.

Nascido em Santos, em 1945, Rubens não demorou a se interessar por cinema. Duas revistas o sensibilizaram particularmente: "Filmelândia" e "Cinelândia". Desde os 11 anos, anotou em cadernos cada filme que viu, escrevendo os títulos e as informações básicas. Transitou por áreas distintas —  Administração e Direito —, enfrentando, em casa, a oposição a seu desejo de trabalhar com cinema, profissão, contudo, que terminou ajudando no sustento familiar.


O memorialista

Dono de uma memória prodigiosa , ele impressionou milhões de telespectadores, ano após ano, durante a transmissão da cerimônia do Oscar. Para o público brasileiro, uma das grandes atrações do Oscar , além do resultado em si, era conferir a inesgotável cultura cinematográfica de Rubens por meio de comentários não “apenas” enciclopédicos como marcados por tom pessoal inconfundível – conforme evocado no livro “O Oscar e eu” (2003).

Ewald escreveu sobre os lançamentos em salas de cinema e também em vídeo, DVD e TV. Levou seu patrimônio cinematográfico para a Globo, Cultura e o mundo da TV por assinatura (HBO, Telecine, TNT). Esteve à frente de alguns dos mais relevantes festivais de cinema do Brasil – como consultor do Projeto Paulínia Magia do Cinema / Polo de Cinema e curador dos festivais de Gramado e Paulínia.

O roteirista

Fez roteiros de dois filmes: “A árvore dos sexos” (1977), em parceria com Carlos Alberto Soffredini, Eugênia de Domênico e Mauricio Rittner; e “Elas são do baralho” (1977), com Roberto Silveira e Adriano Stuart, dirigidos por Silvio de Abreu. Com ele, aliás, assinou a novela “Éramos seis”,  adaptação do livro de Maria José Dupré, exibida no SBT. (Francisco Martins Especial AgênciaFM). 

segunda-feira, junho 17, 2019

Morre Franco Zeffirell

Morreu sábado (15) o diretor de cinema italiano Franco Zeffirelli de Romeu e Julieta e tantos outros clássicos. 

Nascido em 12 de fevereiro de 1923 em Florença, ele tinha 96 anos. Segundo o filho de Zeffirelli, Luciano, confirmou que seu pai morreu em casa por volta das 12h de sábado,15, na Itália (cerca de 7h do horário de Brasília).

"Ele sofreu durante um tempo, mas se foi de uma forma pacífica", afirmou Luciano.
Zeffirelli ficou famoso por dirigir filmes como "La Traviata" e "Romeu e Julieta", pelos quais foi indicado ao Oscar, mas também por produções de óperas e obras para a televisão.

Com a película "Romeu e Julieta", que ganhou as telas em 1968, além da minissérie para a televisão "Jesus de Nazaré", de 1977, e o filme "Irmão Sol, Irmã Lua", de 1972, que foi um tributo a Santo Antonio de Assis.

O caso com Luchino

"Com Visconti vivi um amor atormentado, esgarçado, mas nunca apagado. Para mim, Luchino era o modelo de tudo o importante", acrescentou Zeffirelli, que lembrou ainda seu amor por Maria Callas, "a única mulher por quem me apaixonei".

Em janeiro 2018, Zeffirelli foi acusado pelo ator Johnathon Schaech de ter abusado sexualmente dele durante as filmagens do filme "Sparrow", em 1992. Schaech, que era um ator novato na época.

50 anos de O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro

Primeiro longa-metragem colorido dirigido por Glauber Rocha, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro completa 50 anos de seu lançamento. 

Líder teórico e prático do Cinema Novo, Glauber foi articulador do cinema nacional e um dos responsáveis pelo prestígio internacional do movimento. Seus três filmes paradigmáticos, Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), Terra em Transe (1967) e O Dragão da Maldade (1969), foram lançados com grande repercussão de público e crítica, consolidando o prestígio do cineasta no Brasil e no mundo. Por este último, recebeu em 1969 o Prêmio de Melhor Direção no Festival de Cannes. 

O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro será exibido em versão restaurada que integra o acervo da Cinemateca Brasileira. A sessão contará ainda com a presença do diretor de fotografia do filme, Affonso Beato, convidado para um debate com o público. A exibição será precedida por entrevistas inéditas de Eduardo Escorel e Zelito Viana, respectivamente montador e produtor do filme.  Completar informação

50 anos de O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro
19/6, às 20h
Endereço: Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso, 207 – São Paulo (SP)

quarta-feira, junho 12, 2019

Sensacional: DVD Pasqualino Settebellezze

Na cidade italiana de Nápoles nos anos de 1930, Pasqualino é um jovem mafioso e o único homem de uma família de sete irmãs horrendas (daí o seu provocativo apelido, "Sete Belezas") e uma mãe viúva. 



Ele busca "respeito" dos seus concidadãos e, ao achar que sua irmã mais velha foi enganada por um proxeneta que a levou para um prostíbulo, mata o homem. Aconselhado pelo chefão Don Raffaele, Pasqualino esquarteja o corpo e o despacha para três cidades, em três malas. Mesmo assim ele é preso mas escapa da pena de morte ao se passar por louco. 

Pasqualino é internado num sanatório onde, com a ajuda de uma médica que sabe que ele é são, sai e entra para o exército que luta na Segunda Guerra Mundial. Ao atravessar a Alemanha de trem fingindo estar ferido para escapar da "Frente Russa", ele deserta e, junto com um companheiro, é capturado pelos nazistas e mandado para um campo de concentração. Ali, ele fará seu maior esforço para sobreviver ao tentar seduzir a sádica diretora do campo. 


Giancarlo Giannini...Pasqualino "Settebellezze" Frafuso
Fernando Rey...Pedro, o anarquista
Shirley Stoler...Comandante do Campo de Concentração
Elena Fiore...Concettina, a irmã de Pasqualino
Piero Di Iorio...Francesco, amigo prisioneiro de Pasqualino
Enzo Vitale...Don Raffaele
Roberto Herlitzka...Socialista
Lucio Amelio...advogado
Ermelinda De Felice...mãe de Pasqualino
Aristide Caporale