Páginas

sexta-feira, fevereiro 21, 2020

" A Causa Secreta " espetacular filme de Sérgio Bianchi


Estrelando Ester Goes e Renato Borghi, baseado no conto homônimo de Machado de Assis, o filme é atualíssimo. Para encenar uma nova peça teatral, o grupo faz como laboratório, pesquisas sobre a miséria no país nas filas do INSS, hospitais e seus corredores lotados, e nas próprias ruas, eles encontram um sentimento cada vez mais indiferente à dor e à humilhação dos menos favorecidos.
Os atores reagem isso de diferentes formas: da empatia à raiva. "A Causa Secreta", filme contundente sobre às mazelas da sociedade brasileira. Tá bem atual. Atuações viscerais de Rodrigo Santiago e Lígia Cortez.

quinta-feira, fevereiro 20, 2020

Adeus ao Zé do Caixão

Zé do Caixão e ator Zé Lopes
\ Foto: Francisco Martins 
Mestre do terror brasileiro dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes, faleceu  nesta quarta-feira (19) no hospital Santa Maggiore, no Parque Dom Pedro, região central de São Paulo. O velório acontece no Museu da Imagem e dom Som, na capital paulistana. 


Morre cineasta José do Caixão cujos filmes "Esta Noite encarnarei no teu corpo", O estranho mundo do Zé do Caixão',Trilogia do Terror,  O despertar da Besta e Finis Hominis, deram-lhe fama internacional.


José Mojica Marins nasceu em São Paulo, 13 de março de 1936, cineasta, ator, roteirista e televisão. Mojica também é conhecido como Zé do Caixão, seu personagem mais famoso. Embora Mojica seja conhecido principalmente como diretor de cinema de terror, teve trabalhos anteriores cujos gêneros variavam entre faroestes, dramas, filmes de aventura, dentre outros, incluindo filmes do gênero pornochanchada, no Brasil, durante aquela época. 

Mojica desenvolveu um estilo próprio de filmar que, inicialmente desprezado pela crítica nacional, passou a ser reverenciado após seus filmes começarem a ser considerados cult no circuito internacional. Mojica é considerado como um dos inspiradores do movimento marginal no Brasil. 

Começo da carreira profissional

Nascido em uma fazenda pertencente à fábrica de cigarros Caruso, na Vila Mariana, em São Paulo, Brasil, filho de artistas circenses de origem espanhola, Antônio André e Carmen Marins, José Mojica Marins ainda criança, passava horas lendo gibis, assistindo a filmes na sala de projeção do Cinema em que seu pai trabalhava, brincava de teatro de bonecos e montava peças com fantasias feitas de papelão e tecido. Quando tinha 3 anos, a família de Mojica veio a se mudar para os fundos de um cinema na Vila Anastácio.

Depois da fundação de sua escola, a carreira profissional de Mojica Marins passou a ficar cada mais mais próxima. Mojica Marins tentou realizar o filme Sentença de Deus por três vezes e o filme acabou como inacabado. Semi-profissional, o filme Sentença de Deus é experimental no sentido mais genuíno e revela os primeiros passos de José Mojica Marins na arte do cinema. Seu mais recente filme é Encarnação do Demônio, de 2007. 

Alguns prêmios do filme À Meia-Noite Levarei Sua Alma

Prêmio Especial no Festival Internacional de Cine Fantástico y de Terror Sitges (Espanha), em 1973
Prêmio L’Ecran Fantastique para originalidade, em 1974
Prêmio Tiers Monde da imprensa mundial, na III Convention du Cinéma Fantastique (França), em 1974.

terça-feira, fevereiro 18, 2020

Sessão ao Ar Livre: ‘O Leopardo’ 23/2, às 21h

A Cinemateca Brasileira apresenta, como parte da Mostra Carta branca a Lygia Fagundes Telles, a sessão especial e ao ar livre de O Leopardo, de Luchino Visconti, que será exibido em 35mm na tela externa. 
Jean-Paul Belmondo e Jean Seberg

A partir do romance de Tomasi Di Lampedusa, o filme apresenta, a ascensão da burguesia e a decadência da nobreza sob o Risorgimento italiano, em 1860. O filme recebeu o prêmio Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1963.


Sinópse 

O jovem crítico era admirador de filmes de gângster de Hollywood, como Scarface – A Vergonha de Uma Nação, de Howard Hawks, e também nutria afeição pelas chamadas produções B, ou seja, filmes de baixo orçamento, com produção mais modesta. Para fazer Acossado, Godard reuniu essa gama de influências e uniu ao tema primordial do movimento do qual fazia parte: o amor. A história do filme gira em torno de Michel Poiccard, interpretado por Jean-Paul Belmondo, um ladrão de carros inconsequente e tagarela, que, após um roubo, acaba por assassinar um policial no meio da estrada. Ele foge e vai procurar Patricia Franchini, uma estudante de jornalismo estadunidense com quem teve algumas noites de sexo, vivida por Jean Seberg. (Francisco Martins). 

Endereço: Cinemateca Brasileira – Largo Senador Raul Cardoso, 207 – São Paulo (SP)

segunda-feira, fevereiro 10, 2020

Oscar 2020 deu "Parasita"

'Parasita' é o grande vencedor do Oscar 2020, com quatro prêmios

"Parasita"
Surpresa no Oscar da 92ª edição da premiação . Produção sul-coreana se tornou a 1ª não falada em língua inglesa a vencer como Melhor Filme. Joaquin Phoenix, Renee Zellweger, Brad Pitt e Laura Dern venceram.

A dramédia sul-coreana sobre diferença de classes recebeu quatro estatuetas e se tornou o primeiro não falado em língua inglesa a vencer como Melhor Filme. Além do principal prêmio, o cineasta Bong Joon Ho também ganhou como roteiro original, diretor e filme internacional. 

Melhor ator coadjuvante: Brad Pitt, por  Era Uma Vez… em Hollywood
Melhor filme de animação: Toy Story 4 
Melhor curta-metragem de animação: Hair Love 

Melhor roteiro original: Bong Joon Ho e Han Jin Won, por Parasita

Melhor roteiro adaptado:  Taika Waititi, por Jojo Rabbit
Melhor curta-metragem: The Neighbors' Window





Melhor design de produção (direção de arte): Barbara Ling e Nancy Haigh, por Era uma vez em… Hollywood 

Melhor figurino: Jacqueline Durran, por Adoráveis Mulheres

Melhor documentário: Indústria Americana
Melhor Documentário de Curta-Metragem: Learning to Skateboard in a Warzone (If You're a Girl)
Melhor atriz coadjuvante: Laura Dern, por História de um Casamento

Melhor edição de som: Donald Sylvester, por Ford vs Ferrari

Melhor mixagem de som: Mark Taylor e Stuart Wilson, por 1917

Melhor fotografia: Roger Deakins, por 1917

Melhor edição de filme: Michael McCusker e Andrew Buckland, por Ford vs Ferrari
Melhores efeitos visuais: Guillaume Rocheron, Greg Butler e Dominic Tuohy, por 1917

Melhor maquiagem: Kazu Hiro, Anne Morga e Vivian Baker, por O Escândalo
Melhor filme internacional: Parasita

Melhor trilha sonora original: Hildur Guðnadóttir, por Coringa

Melhor música original:  Elton John e Bernie Taupin, por I'm Gonna Love Me Again, de Rocketman

Melhor direção: Bong Joon Ho, por Parasita

Melhor ator: Joaquin Phoenix, por Coringa

Melhor atriz: Renée Zellweger, por Judy – Muito Além do Arco-Íris

Melhor filme: Parasita

quinta-feira, fevereiro 06, 2020

Morre ator e diretor cinema Kirk Douglas

Pai do também ator  Michael Douglas, Kirk foi três vezes indicado ao Oscar e atuou em mais de 80 filmes entre os quais 'Spartacus', 'A montanha dos 7 abutres' e 'Sede de viver', pelo qual ganhou um Globo de Ouro.

Michael e o pai Kirk Douglas 

Indicado ao Oscar três vezes, o galã de filmes como “Spartacus” (1960) se aposentou depois que passou a ter dificuldades para falar, devido ao AVC, nesta quarta-feira.

Kirk Douglas também foi três vezes indicados ao Emmy, a premiação mais importante da TV americana. No Globo de Ouro, levou duas estatuetas: uma de melhor ator em drama (por “Sede de viver”, de 1956) e outra por sua filmografia, o prêmio especial Cecil B. DeMille.

Filho de russos analfabetos

Kirk Douglas em "Spartacus" 

Filho de imigrantes russos analfabetos, Kirk Douglas interpretou papéis emblemáticos do cinema, do escravo Spartacus ao pintor Vincent van Gogh, passando pela lenda do velho oeste Doc Holliday. Nos anos 70, preferiu se dedicar a uma breve carreira de cineasta com os filmes "Ambição Acima da Lei" (1975) e "As Aventuras de um Velhaco" (1973).